Quem é quem?

1. Coordenação executiva – Maria Betânia

Betânia é conhecida de muita gente na comunidade do Coque e é um dos pontos de partida deste sonho coletivo. Ela, que sempre foi um dos braços direitos de Frei Aloísio Fragoso em seu trabalho junto à comunidade. Pedagoga, pós-graduada em ludicidade é a principal responsável pela Biblioteca Popular do Coque. É ela quem rege a orquestra, quem participa da maior parte das reuniões com a Rede, quem vai em busca de parceiros e colaboradores.

2. Os mediadores

RAFAEL – Estudante de Letras, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rafael é parte da comunidade, filho de Betânia e é colaborador desde o início da biblioteca. Também ajuda nas atividades de mediação e articulação da biblioteca com o poder público e outras parcerias. Ajuda na catalogação e organização do acervo e, também, na atualização do blog.

FABIANA – Jornalista e atriz, ela está há cinco anos como voluntária na Biblioteca Popular do Coque. Duas vezes por semana, sempre pelas manhãs, ela trabalha com contação de histórias, jogos lúdicos e educativos e atividades pedagógicas. Também ajuda a atualizar o blog e na redação de projetos.

3. Os parceiros

RELEITURA: A Rede de Bibliotecas Comunitárias reúne, atualmente, sete instituições que acreditam na democratização da cultura e do saber. São bibliotecas que buscam juntas alternativas para auto-sustentação e formação. E atuam juntas em busca de mudanças nas políticas públicas de incentivo à leitura. Fazem parte da Rede: Biblioteca Cepoma, Biblioteca Comunitária Amigos da Leitura, Biblioteca Creche Lar Mei Mei, Biblioteca Multicultural Nascedouro, Biblioteca Popular do Coque, Biblioteca Peró e Biblioteca Educ Guri. A rede está em processo de expansão para a integração de mais bibliotecas.

 

REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS: A RNBC surgiu de um desdobramento natural da organização em rede de bibliotecas comunitárias em várias cidades do país. Esses espaços de leitura, mantidos por instituições sociais e culturais em áreas carentes das regiões metropolitanas, passaram a atuar em rede a partir de 2009 dentro de uma ação de apoio e incentivo à leitura: o Programa Prazer em Ler, do Instituto C&A.

Com esta atuação coordenada e coletiva, as bibliotecas comunitárias ganharam protagonismo e liderança na construção de políticas públicas da área do livro e leitura. As experiências de troca e aprendizagem, proporcionadas pelo Programa Prazer em Ler, mostraram a necessidade de dar amplitude nacional ao que já era realidade em diversos locais do país.

A perspectiva da leitura como um direito humano e a importância da biblioteca comunitária como espaço privilegiado de garantia desse direito são a base do trabalho de incidência política das redes de bibliotecas comunitárias locais. A RNBC nasce para dar dimensão nacional a esse trabalho, particularmente no momento em que uma política de livro e leitura chega enfim ao legislativo federal. Foram 10 anos entre a portaria ministerial que instituiu as diretrizes para uma política pública de livro e leitura no país, em 2016, e a discussão do Plano Nacional do Livro e Leitura no Congresso Federal, agora denominado Plano Nacional de Leitura e Escrita – PNLE.

A RNBC nasce com representação nos estados do Pará, Maranhão, Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro com o compromisso de crescer, articulando mais bibliotecas comunitárias que desejem se integrar para fortalecer esse movimento de luta pela garantia do direito à leitura.

 

CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGENS – CEEL: É um núcleo de pesquisa e extensão da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) que desenvolve atividades com foco na melhoria da Educação Básica em escolas públicas e particulares. Integrante da Rede Nacional de Formação Continuada de Professores do Ministério da Educação (MEC) e dos programas Brasil Alfabetizado e Programa Nacional do Livro Didático, o Centro de Estudos desenvolve pesquisas acadêmicas sobre o ensino da Língua Portuguesa e atua na formação de professores e na educação de jovens e adultos. A Releitura tem uma parceria com o CEEL e os integrantes de cada biblioteca que integra a Releitura atuam como formadores e mediadores de leituras nos projetos em parceria com a universidade.

 

INSTITUTO C&A: A parceria com o Instituto C&A vem oficialmente desde 2009. Em 2006, a instituição lançou o Programa Prazer em Ler, onde desenvolve uma série de concepções em torno da Leitura, do Espaço de leitura, da Mediação de Leitura, Acervo e da Gestão do Espaço, como pilares estruturantes de uma Biblioteca. Então, o Instituto C&A, para além do repasse financeiro, adota uma série de ações de apoio a gestão dos projetos de leitura, com formações periódicas e constantes diálogos com os coordenadores de cada projeto.

CENTRO CULTURAL LUIZ FREIRE – O CCLF, vem a vários anos fomentando o desenvolvimento institucional de diversas instituições e a partir de 2008, a instituição firmou também uma parceria com a Rede de Bibliotecas, tanto no âmbito técnico-pedagógico, quanto na formação política, além de ter disponibilizado recursos financeiros aos membros da Rede de Bibliotecas Comunitárias.

4. Parceiros de origem

Núcleo Educacional Irmãos Menores Francisco de Assis – O Neimfa atua há mais de 20 anos na comunidade do Coque, destacando-se pelo trabalho de formação humana e educacional pautada pelos eixos da Cultura de Paz e do Holismo, baseando-se na prática da não-violência através da solidariedade, da cooperação e de respeito aos direitos humanos. A partir de uma parceria com o Departamento de Comunicação Social da UFPE, a ONG acolheu a produção de um jornal sobre o Coque escrito por universitários e jovens da comunidade, que ganhou o prêmio Caixa na categoria Jornal Universitário em 2007. A partir desse contato e do interesse dos próprios moradores em discutir a comunicação e novas representações sociais do Coque na grande mídia, foi formado o Núcleo de Comunicação de Jovens do Coque, cuja intenção era promover capacitações e provocar um outro agendamento do Coque

Projeto Coque Vive – O projeto Coque Vive designa um conjunto de ações realizadas, desde 2006, pela Universidade Federal de Pernambuco. O projeto tem atuado junto aos jovens do bairro oferecendo cursos de formação crítica e oficinas de capacitação para o manuseio técnico-expressivo das mídias. Busca-se por meio dessa formação, crítica e técnica, estimular o surgimento de estratégias de comunicação alternativas capazes de ofertar novos conteúdos sobre o Coque produzidos, agora, pelos seus próprios jovens.

Frei Aloísio Fragoso – A Assembléia Legislativa de Pernambuco concedeu o título de Cidadão de Pernambuco a Frei Aloísio por sua história de vida e atuação social na região. Sendo o Ministro Provincial da Ordem Franciscana em Recife e Olinda, a vida do Frei esteve muitas vezes conectada com a de Dom Hélder Câmara e outros expoentes da Teologia da Libertação no estado. Frei Aloísio tem mais de três décadas de atuação na comunidade do Coque.

MABI / Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis: Coletivo de jovens do bairro